Medicina Vascular – Dr. Alexandre Aranha

Após uma longa jornada de trabalho, à noite, cansados, começamos a sentir sensações desagradáveis nas pernas, como desconforto, dormências e inchaço e dores, além do aparecimento de veias dilatadas e derrames, causando piora da aparência estética.

Preocupados, perguntamo-nos: será que tenho algum problema circulatório?
Para respondermos essa pergunta precisamos entender um pouco da fisiologia da circulação. O sangue é bombeado pelo coração para dentro das artérias que, por sua vez, nutrem todos os tecidos. Já as veias têm como função drenar o sangue de volta para o coração, completando a circulação. Ser bípede, ou seja, andar sobre as duas pernas criou um sério problema para a circulação: o coração fica distante das pernas e dos pés. O sangue desce muito facilmente através das artérias, sob alta pressão, mas precisa desenvolver um esforço grande para voltar dos pés e pernas até o coração. E este esforço é desenvolvido contra a força da gravidade. Esta tarefa de retorno venoso é executada pelas veias e, muitas vezes, não funcionam de modo adequado. O mal funcionamento do retorno do sangue leva ao acúmulo de sangue dentro das veias das pernas. Esta hipertensão venosa causa dores, sensação de peso, inchaços, cãibras noturnas, coceiras, piora da celulite e aparecimento de dilatações venosas conhecidas como varizes. Em casos mais avançados predispõem manchas na pele e úlceras nas pernas.

Varizes são definidas como veias superficiais dilatadas e tortuosas, com insuficiência de suas válvulas, o que faz a veia perder sua função primária de retorno de sangue. Diversos factores de risco são atribuídos ao aparecimento de varizes, entre eles:

  • presença de doença na família;
  • obesidade;
  • uso de anticoncepcional oral ou terapia de reposição hormonal;
  • idade;
  • sexo feminino;
  • gestação, menopausa;
  • estilo de vida sedentário;
  • profissão com tempo prolongado de pé ou sentado;
  • tabagismo.

Pensando no bem-estar das suas pernas, idealizou-se um plano de prevenção e tratamento estético vascular, que consiste no diagnóstico, orientação e tratamento das suas pernas. O tratamento será programado conforme o problema detectado e a expectativa de cada pessoa.

 

Tratamentos:

1. Tratamento Conservador
A opção do tratamento conservador refere-se a uma forma não-invasiva de tratamento, no qual qualquer procedimento, seja medicamentoso ou cirúrgico, não são usados. Faz parte do tratamento a orientações no estilo de vida, alimentação, exercícios e uso de meias elásticas. As varizes presentes não desaparecem, mas pode melhorar sintomas e diminuir a chance de deterioração do sistema venoso.

2. Esclerose convencional
Consiste na injecção de substâncias irritantes dentro dos vasos, causando-lhe o seu desaparecimento. É uma técnica simples, efectiva e segura no tratamento de vasos de pequenos calibre (derrames), sem varizes maiores associadas. Não necessita de repouso e o número de sessões depende da quantidade de vasos presentes.

3. Esclerose a laser
Consiste na emissão de um feixe de luz com características específicas directo sob os vasos e que, pela maior afinidade ao sangue (fototermólise selectiva), causa dano térmico à sua parede interna. Esta indicado no tratamento de vasos de diversos tamanhos. Não usa agulhas e tem menos dor.

4. Esclerose com espuma
Consiste na injecção de uma mousse no interior das varizes, que leva a uma acção mais potente do seu efeito esclerosante. São usadas para secar varizes calibrosas de pessoas que não podem ou não querem ser submetidas a uma intervenção cirúrgica.

5. Cirurgia convencional,cirurgia a laser, cirurgia a radiofrequência
Indicado para pessoas que apresentam varizes. É um procedimento de ambulatório, realizado em um ambiente hospitalar. Apresenta óptimo resultado estético. São tratamentos minimamente invasivos nos dias de hoje, com rápida recuperação.

6. Carboxiterapia
Consiste na injecção de gás dióxido de carbono no tecido subcutâneo. É indicado para pacientes que apresentam gordura localizada, flacidez, celulite e estrias. É importante salientar que é um gás não tóxico e não embólico e normalmente está presente como intermediário no metabolismo celular, não apresentando, portanto, efeitos colaterais importantes desde que sejam respeitadas as condutas indicadas ao caso. Sua actuação é, sobretudo na micro circulação vascular do tecido conectivo, promovendo uma vaso dilatação e um aumento da drenagem veno-linfática.

7. Terapia fisioterapêutica
Terapia baseada na drenagem linfática dos membros inferiores associado a uso de aparelhos, no intuito de melhorar o contorno das pernas a partir de drenagem do líquido acumulado e combate a flacidez e celulite. É indicada principalmente nos transtornos estéticos de glúteos e pernas.

Medicina Vascular – Dr. Alexandre Aranha | CM Clínicas